quarta-feira, 31 de outubro de 2012


Não foi desejo, nem vontade, nem curiosidade, nem nada disso. Foi um choque elétrico meio que de surpresa, desses que te deixa com o corpo arrepiado, as borboletas na barriga e o coração a bater acelerado. Foi sentimento. Não foi planeado, nem premeditado. Foi só um querer estar perto e cuidar, tomar todas as tuas dores e lágrimas como se fossem minhas. A vontade e o desejo vieram depois. Não foi um lance de corpo, foi um lance de alma. Não foram os olhos, nem os sorrisos, nem o jeito de andar ou de te vestires, foram as palavras e atitudes. Uma saudade e uma urgência daquilo que nunca se teve, mas era como se já tivesse tido antes. 
Foi amor. É amor.

6 comentários: